Assembleia Geral da Mútua, momento alto da vida da Cooperativa

Mais de 100 cooperadores estiveram em Lisboa, a participar na Assembleia Geral da Mútua dos Pescadores. Momento alto da vida da Cooperativa, com associados de todo o País, reunidos para a discussão e aprovação do relatório da atividade da Mútua de 2022, e dos vários assuntos em agenda.

O Presidente do Conselho de Administração, João Paulo Delgado, saudou os presentes e valorizou os resultados obtidos em 2022 que permitem encarar o futuro com confiança.
Com resultados líquidos superiores a um milhão de euros, o crescimento da produção em 9,7% e a sinistralidade em valores aceitáveis, os cooperadores têm todas as razões para confiar na sua cooperativa.
No plano associativo, o ano transato foi marcado pelas comemorações do octogésimo aniversário e pelo reforçar de laços com as comunidades ribeirinhas e as entidades públicas e privadas dos setores marítimo, cooperativo e social. Com eventos em todas as zonas do País, o lançamento de um livro e de um espetáculo musical, que se estreou na Gare Marítima de Alcântara na sessão de encerramento das comemorações, valorizou-se a cultura marítima e a Pesca em particular.

Da atividade do Conselho de Administração destacou-se a tomada de posição pública sobre matérias como o acesso aos recursos marinhos; a necessidade dos apoios à renovação da frota, nomeadamente daquela que se dedica à captura da espécie Peixe Espada Preto, na zona da Madeira; sobre o preço dos combustíveis e, mais recentemente, sobre a consulta pública para a instalação de parques para a produção de energia eólica, que a concretizar-se afetará gravemente todas as artes, Cerco, Arrasto ou Polivalente. Ao longo de 2022 o Conselho de Administração tomou também posição sobre a segurança de quem trabalha no Mar, solicitando a realização de um minuto de silêncio em memória dos sete pescadores que perderam a vida a trabalhar.

Coube à Diretora Geral da Mútua, Ana Teresa Vicente, a apresentação dos documentos de gestão, contextualizando os resultados alcançados num ano em que a inflação atingiu valores comparáveis apenas com a realidade de há trinta anos, com 7,8%, detalhando os diversos indicadores do Relatório e Contas, nomeadamente o peso da Pesca na carteira de prémios, com 75% do total; a distribuição por ramos com Acidentes de Trabalho com 56%, Marítimo Pesca com 22% e Acidentes Pessoais e Marítimo Recreio ambos com 10%; bem como o crescimento de prémios em Acidentes Pessoais e Marítimo; destacando o decréscimo da sinistralidade, para 65,7%; a alteração da situação líquida em virtude do decréscimo do valor dos ativos; o bom desempenho das cobranças, que tiveram um acréscimo de 8,8% e a taxa de cobertura das provisões técnicas de 146%. Os resultados do ano foram assim de 1.218.766,00€ antes de impostos, ao que corresponde 1.064.524,00€ após impostos.

O parecer do Conselho Fiscal sobre o Relatório foi apresentado pelo Diretor de Contabilidade, António Monteiro, justificando a ausência dos membros do órgão, informando ainda que o Parecer da Sociedade de Revisores Oficiais de Contas foi emitido, como em anos anteriores, sem reservas nem enfases.

Destaque ainda para a proposta do Conselho de Administração, de utilização, em 2023, de um valor do Fundo de Reserva para a educação cooperativa e formação cultural e técnica dos cooperadores, trabalhadores e comunidade até aos 15% do valor total disponível, salientando-se neste ponto da ordem de trabalhos, as ações de formação a realizar pelos trabalhadores da cooperativa, mas também para os cooperadores em matéria de segurança na Pesca e na atividade marítimo turística.

No que respeita ao terceiro ponto da ordem de trabalhos, “Discussão e deliberação sobre o Relatório de Avaliação da Política de Remuneração”, destacou-se que este Relatório, que tem como proponentes o Conselho Fiscal e a Comissão de Avaliação e Vencimentos, resulta de uma imposição legal e que na Mútua dos Pescadores não se praticam remunerações variáveis, associadas aos resultados ou a outros indicadores, não havendo remunerações ou prémios que não decorram dos normativos internos aprovados e das leis em vigor.

Assinalamos que todos os documentos foram aprovados por unanimidade.

Antes de terminar os trabalhos, o Presidente da Mesa da Assembleia Geral referiu a gestão cautelosa que sempre se praticou na cooperativa, e o Presidente do Conselho de Administração recordou também que é essa gestão sensata e prudente que permitiu que no início do ano se aumentassem as remunerações dos seus trabalhadores, em linha com o aumento do custo de vida, ao mesmo tempo que, para além da atividade seguradora, a cooperativa desempenha o seu papel na defesa do setor marítimo e da atividade da Pesca.
O cooperador Álvaro Paquete, de Esposende, dando o seu exemplo, apelou ainda a que todos os cooperadores participassem na atividade da sua cooperativa.

Por fim, o Presidente da Mesa da Assembleia Geral deixou uma mensagem a todos os cooperadores presentes, sublinhando a importância dos dirigentes locais e das comunidades nos alertas sobre os perigos da instalação dos parques de produção de energia eólica que, a concretizar-se, terá impactos gravíssimos na Pesca.

Todos os Relatórios anuais de gestão estão disponíveis no separador Relatórios e Planos de Atividade / Orçamentos anuais.

© Fotografia de Bruno Costa. Maré bioluminescente, Vila Chã, agosto de 2021.
(utilizada também no calendário de 2023 da Mútua)

Print Friendly, PDF & Email