Mútua dos Pescadores: Cooperativa de Seguros Portuguesa

A Mútua é a primeira e única cooperativa de seguros portuguesa (desde 2004), que celebrou, em 2012, 70 anos de história, enquanto Mútua de Seguros. À experiência mutualista no sector das pescas que acumulou durante décadas – representando mais de 70% da sua carteira de prémios - juntou-se a partir de 2000, a intervenção noutras atividades do cluster do mar, como a náutica de recreio, marítimo turística, pesca desportiva e mergulho. Em 2006 o sector cooperativo e social tornou-se numa nova aposta.

Pés no Terreno
Plano de Reforço da Ação Cooperativa da Mútua dos Pescadores

Desde o início de 2016 que o Conselho de Administração da Mútua está a por em prática um plano de dinamização cooperativa que visa fortalecer a ligação dos cooperadores e segurados à sua cooperativa. Junte-se a nós!

SAIBA MAIS

Torne-se cooperador da Mútua dos Pescadores! Saiba mais aqui!


Para consultar o calendário de eventos e iniciativas clique aqui!


Corrida da Liberdade

São Sebastião, Setúbal, 25 de Abril

A Junta de Freguesia de S. Sebastião, em parceria com o movimento associativo, implementou este ano algumas inovações na prova, a realizar no dia 25 de abril, no Parque da Lanchoa, no âmbito das comemorações dos 45 anos da Revolução dos Cravos. A Mútua dos Pescadores associa-se à iniciativa.

Ler Mais

Mural no quartel dos Bombeiros da Nazaré

Sensibilização para a Segurança

Formação Mútua para Operadores de Marítimo-Turística termina na Nazaré

Terminou no passado dia 13 de abril a 1ª edição da formação “Sensibilização para a Segurança – uma abordagem ao Controlo de Multidões” para os operadores de marítimo-turística da zona centro, que abrangeu mais de 50 profissionais desta atividade, sediados em Peniche e na Nazaré. Uma atividade em franco crescimento e que a Mútua tem acompanhado de perto, sendo já o segurador de referência.

Ler Mais

Ilustração de Pedro Salgado

Organizações ibéricas da pesca da sardinha reforçam posição conjunta

Lisboa, 2 de abril

Tal como anunciado as organizações da pesca da sardinha voltaram a juntar-se em Lisboa, desta vez no For-mar, reforçando uma vez mais a necessidade de se ter em conta a “importância económica e social da pesca da sardinha”, para a definição do Plano de Gestão da sardinha ibérica, a par dos “princípios biológicos e de modelos matemáticos”, defendendo que os “governos dos dois países não devem validar qualquer quantidade de capturas para 2019 inferior a 15.425 toneladas”.

Ler Mais